Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um leitor atento enviou-nos o seguinte comentário: “Essas críticas das chamadas revistas da especialidade já todos sabemos como são feitas. Ou o produtor faz publicidade na revista e dão um destaque e uma apreciação excelente a uma marca dessa Casa Agrícola, ou se o produtor recusa fazer publicidade, cortam na casaca até mais não. E quando existem quezílias pelo meio, então nem se fala. Falar dum rótulo e nem sequer falar do conteúdo é no mínimo, muito pouco profissional” (ler: Casa Paciência lança no mercado o vinho "Ping'Amor" ) depois de ter lido a notícia publicada por este jornal e referente ao lançamento de um novo vinho da 'Casa Paciência' no mercado com a marca  “Ping’Amor”.

Na opinião do ‘Jornal de Vinhos’, “há rótulos de vinho que, pior do que serem maus tecnicamente, são incompreensíveis nos dias de hoje... A todos os níveis. O vinho Ping'amor Reserva, da Casa Agrícola Paciência, é um caso paradigmático. O seu rótulo, de formato exótico, para além de não comunicar quase nada, é formalmente deprimente.”

Curiosamente, Armando Fernandes, crítico de gastronomia e responsável pela coluna de 'Comeres & Beberes' do semanário ‘O Ribatejo’ já não é da mesma opinião. Escreve o entendido  na sua habitual coluna de “Vinho” desta semana o seguinte: “…O rótulo e contra rótulo acentuam Ping’amor, possibilitando, se nisso estivermos interessados recordar as figuras de pinga amores feitas pelos outros, as nossas ficam ao cuidado deles. Um homem frenético no pinga-amor, especialmente no Ribatejo, é encarado como bonomia e largo sorriso pelos observadores menos atreitos a exibições de amostras desse género na praça pública. Este vinho branco no copo mostrou-se límpido, o nariz detectou referências aromáticas a frutos cítricos frescos, a feno acabado de cortar, alguma manteiga e elementos florais, na boca aumentaram as revelações colhidas pela pituitária. Com efeito, no palato conformaram-se tais sensações, ainda as de maçãs acabadas de colher, num pronunciamento de frescura e final vincados a laivos amanteigados. Bom acompanhante de peixes brancos, mariscos, aperitivos e queijo seco.”
Depois destas duas opiniões e porque a Casa Paciência, situada em Alpiarça, continua a “brindar” os consumidores com o melhor “néctar dos Deuses” de região porque não provarmos o ‘Ping’Amor’ para tirarmos as dúvidas?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:59


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Janeiro 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D